Como noticiado na época dos fatos pelo Jornal VIP, Matheus Vieira, natural de Santo Amaro da Imperatriz, filho do empresário Zulmar Vieira e a Luciana Turnes Vieira, no dia 09 de dezembro de 2016, quando ainda dormia na residência de seus pais, foi abordado por vários policiais federais empunhando armas, apresentando-lhe um mandado expedido pela 5ª Vara Federal de Guarulhos, SP, que determinava sua prisão preventiva pela suposta prática de tráfico de drogas.

Dr. Joel, advogado da família

Naquele momento, os policiais fizeram uma devassa na residência dos pais de Matheus, vasculhando armários, camas, computadores, bolsas e carteiras pessoais, documentos e correspondências que, por certo, nada encontraram.
Levado sob custódia, Matheus foi conduzido para a sede da Polícia Federal em Florianópolis.
“Neste interregno, em consulta realizada por nosso escritório ao processo em andamento na Justiça Federal de São Paulo, foi detectado que o investigado pelo crime de tráfico de drogas se tratava de um homônimo, ou seja, Matheus foi preso por um erro judicial grosseiro que prendeu uma pessoa inocente sem o devido cuidado e atenção”, ressalta o advogado da família, Dr. Joel Abreu. Alertado sobre esse fato, no momento do interrogatório de Matheus, o próprio delegado que cumpriu o mandado suspeitou acerca da real identidade do investigado.
Infelizmente a notícia da prisão der Matheus, rapidamente se espalhou. Em todo município de Santo Amaro e pelas redes sociais o comentário que “Matheus, filho do Zulmar e Luciana, foi preso pela polícia federal por tráfico de drogas”, viralizou. Porém, Matheus foi confundido, lamentavelmente. Matheus é um excelente filho, bom garoto, de família muito trabalhadora.
Mesmo após a divulgação do erro de sua prisão, infelizmente, permaneceu alguns comentários maldosos sobre a índole de Matheus. “Assim, diante da situação, ante o açodamento da Polícia Federal, bem como da Justiça Federal na condução da prisão de Matheus, que não são consentâneos com os ditames que devem nortear os atos dos que se propõe a servir à Justiça, a família entendeu por ingressar com uma Ação de Indenização por Danos Morais em face da União Federal”, disse Dr. Joel.
Em célere instrução processual, o Juiz Herlon Schveitzer Tristão, da 8ª Vara Federal de Florianópolis, concluiu que “não há dúvida de que houve qualificação equivocada do indiciado, sendo requerida a prisão preventida de pessoa sem qualquer ligação com os fatos delituosos apurados no inquérito policial, sendo deferido pelo Juízo compentente, com a expedição de mandado de prisão, devidamente cumprido.” Assim, como base nesses argumentos o Magistrado entendeu por condenar a União ao pagamento de R$ 20.000,00, a título de indenização por danos morais e psicológicos sofridos por Matheus. Por certo, com a prolação desta sentença e o reconhecimento inequívoco de sua inocência, a boa imagem de Matheus, de alguma forma pode ser restabelecida.
Fonte: Dr. Joel Abreu